O Que é Fatores de Risco para Deficiências Congênitas

Durante a gestação, existem alguns fatores que podem aumentar o risco de o bebê nascer com alguma deficiência congênita. Essas deficiências são problemas que ocorrem desde o momento da concepção e podem afetar o desenvolvimento do bebê.

Um dos fatores de risco mais conhecidos é a idade da mãe. Mulheres mais velhas têm uma maior probabilidade de terem bebês com deficiências congênitas, como a Síndrome de Down. Isso ocorre porque os óvulos das mulheres mais velhas têm uma maior chance de apresentarem problemas genéticos.

Outro fator de risco é o uso de substâncias nocivas durante a gravidez, como o álcool e as drogas. Essas substâncias podem atravessar a placenta e afetar o desenvolvimento do feto, causando danos irreversíveis.

Também, algumas condições médicas da mãe podem aumentar o risco de deficiências congênitas. Por exemplo, mulheres com diabetes não controlado têm uma maior probabilidade de terem bebês com problemas cardíacos ou defeitos no sistema nervoso.

A exposição a certas infecções durante a gestação também pode ser um fator de risco. Infecções como a rubéola e a toxoplasmose podem causar danos ao feto e levar ao surgimento de deficiências congênitas.

É importante ressaltar que nem todos os bebês expostos a esses fatores de risco irão desenvolver deficiências congênitas. A presença desses fatores apenas aumenta a probabilidade de ocorrência.

Para reduzir o risco de deficiências congênitas, é fundamental que as mulheres façam um bom acompanhamento pré-natal, evitem o consumo de substâncias nocivas, se protejam de infecções e mantenham uma alimentação saudável.

Simplificando, fatores como a idade materna, o uso de substâncias nocivas, condições médicas e infecções durante a gestação podem aumentar o risco de deficiências congênitas. É importante estar ciente desses fatores e adotar medidas preventivas para garantir a saúde do bebê.